Turbulência lusitana

Infelizmente, as férias de Joãozinho estavam acabando. Ele passou a última semana com sua família rodando pelo interior de Portugal e teria que voltar naquele mesmo dia para a terrinha a ponto de chegar a tempo para apresentar sua tese de mestrado. Foram para o Aeroporto de Lisboa e, como só Joãozinho tinha compromisso no Brasil, a galera seguiu viagem para Espanha naquele momento. Joãozinho ainda tomaria um chá-de-cadeira de aproximadamente oito horas até pegar o vôo de volta para o Brasil.

Sem se incomodar muito com a espera, ele guardou sua bagagem no guarda-volumes e resolveu ir até o cinema do "El Corte Inglés" para passar o tempo. Joãozinho pegou um taxi: além de barato, era o meio de transporte mais rápido disponível. Já saindo do
Aeroporto, o motorista pergunta para onde ele iria.
- Mas para qual hotel você vai?
- Não, eu não irei para hotel nenhum. Eu estou indo realmente para El Corte Inglés.
- Mas não, está errado. Você não pode ir do Aeroporto para lá. Você tem que ir para um hotel, esbravejou o taxista.
- Mas, é para lá que eu vou, respondeu Joãozinho, sem entender o motivo de tanta indignação. Afinal, o cinema ficava depois do hotel que ele tinha se hospedado, a corrida seria um pouco maior. Não tinha por que o motorista ficar tão irritado.
- Não, não pode. Está errado, repetia o taxista.
- Então, pára o carro, que vou descer aqui.
- Não, te levarei até lá, respondeu o inconformado taxista.

O dialogo acabou ali e pelo retrovisor Joãozinho percebeu que os olhos enfurecidos do motorista ainda queriam lhe dizer algo. Estes brasileiros, além de terem mania de mudar o significado das palavras, não sabem para onde devem ir. Foi a mensagem que ele imaginou antes que as piadinhas sobre portugueses atropelassem sua mente.

6 comentários:

Rafael disse...

O Portuga aqui foi na Retes buscar umas fotos e aí não haviam revelado algumas. Perguntei o porquê e me disseram que eram 'fotos sem assunto', que quem decidiu isso foi o próprio funcionário que revelava os filmes... E eu havia pedido pra revelar todas... As fotos 'sem assunto' eram de uma acidente que sofri em NY e que poderiam servir de prova pra um processo contra a empresa do tour. Adivinhar e contrariar o cliente deve ser herança dos portugas.

Eduardo César disse...

É Portuga, deve ser herança de nossos ancestrais mesmo. Agora, este incidente na Retes mostra duas coisas: primeiro, o evidente despreparo do atendente. Afinal, se você pediu para revelar todas as fotos, significa todas, independentemente da qualidade ou da "falta de assunto". E, segundo, ainda bem que você é um bom redator, porque se as fotos de um acidente em NY parecem não ter assunto, significa que direção de arte está um pouquinho fora de foco. hehehe

Redatozim disse...

Não me falem na Retes que o sangue talha! Esta empresinha é um lixo. Quanto a Portugal, cada vez que eu ouço um casso assim, tenho mais curiosidade de ver o que se passa ali.

Eduardo César disse...

Parece que o filme da Retes anda meio queimado. Agora, realmente vale a pena visitar Portugal. Além de ser um belo país e ter uma culinária magnífica, passar uma temporada lá é muito divertido. Há ainda outras histórias divertidas e mal entendidos para contar.

Danny Falabella disse...

mas eu boiei mesmo com esta história! Socorro..e eu tive lá com o João e tinha hora que não entendia o que eles falavam...dava vontade de chorar e gritar: fala português, caralho!

Eduardo César disse...

É muito engraçado. Esperava não ter problemas de comunicação lá em Portugal mas, foram tanto os mal-entendidos, que passou a impressão de ser um outro idioma. Eles não perdiam a oportunidade de lembrar que somos nós brasileiros que temos mania de mudar o significado das palavras. Pelo menos, tirando os taxistas, eles têm bom-humor.