A casas-Bahianização do varejo

Ninguém dúvida que fórmulas podem conseguir bons resultados. Tanto em provas de física ou de matemática, quanto na criação e produção de comerciais, elas são um meio válido para garantir bons resultados.

Mas, é sempre bom lembrar que podem existir outros meios e, por que não, melhores? Existem alternativas interessantes aos atores entusiasmados gritando ofertas e promoções imperdíveis nos comerciais de varejo.



Sempre há uma boa forma de fugir da padronização.

4 comentários:

Liene Maciel disse...

Tenho que admitir que não suporto a gritaria que se tornou as propagandas de varejo, principalmente de lojas de eletrodomésticos, capitaneadas pelas Casas Bahia.

Redatozim disse...

O problema é que o anunciante não vê a necessidade de produção em uma peça que vende, necessariamente, preço. Além do mais, o raciocínio de varejo urgente no Brasil vem de uma época onde a inflação era abusadíssima e fazia preços subirem de sexta pra segunda, ou seja, era produzir rápido pra não perder o valor. Os tempos mudaram, mas as cabeças, não.

Eduardo César disse...

A gritaria é geral. E alguns personagens dessas propagandas conseguem ser extremamente irritantes.

Eduardo César disse...

Excelente análise, Maurilo. Explica e justifica o problema. Agora, nos resta apresentar soluções.