Reflexão. Rotulada como tal.

Sem perceber, classificamos tudo e todos o tempo todo. Talvez façamos isso porque é uma maneira fácil de identificarmos as características de cada objeto ou pessoa. Ou talvez porque simplesmente gostamos de tentar obter respostas sem perguntar.

Rótulos, quando bem feitos, chamam a atençao, despertam interesse, expõem as características e a procedência do produto. Destacam suas qualidades e induzem o seu consumo. Quando são mal feitos não atraem e podem até confundir e afastar os consumidores.

Quantas experiências já perdemos por um rótulo mal feito? Quantos sabores não esperimentamos? Quantos amigos não tivemos?

4 comentários:

Rubens disse...

Rótulos não dizem tudo sobre um produto. Muito menos sobre uma pessoa. Em produtos, servem como atrativos e indicativos de procedência, fabricação, etc. Nem sempre correspondem à realidade ou garantem qualidade. Em pessoas, então, nem se fala. Melhor experimentar primeiro antes de rotular.

Redatozim disse...

Pior é se for veneno. Aí quem é que dispensa o rótulo?
No mais, certo estava o Raul que dizia / cantava "o que eu como a prato pleno bem pode ser o seu veneno, mas como vai você saber sem provar?"

Eduardo César disse...

Não há dúvidas sobre isto Rubens. O foda é conseguir controlar a tentação de rotular sem experimentar.

Eduardo César disse...

É Maurilão, os rótulos de veneno são os piores. E o pior que eles colam que é uma beleza. Ainda bem que para quase tudo existe antídoto.