Keep walking

Tudo que sobe, um dia tem que descer. E, geralmente, quando desce, vai até ao chão. Nesse ponto, há duas opções: ou ficar lá estendido ou levantar e continuar seguindo.

Todo recomeço é difícil. Sair da zona de (des)conforto, levantar do chão, olhar pra frente e novamente se expor são os primeiros passos. Isso tudo parece muito fácil, mais não é. Cada movimento pode ser acompanhado por um novo obstáculo, por dúvidas ou por descrédito.

Andando pelas ruas de Ouro Preto, Joãozinho encontrou uma cafeteria interessante. Enquanto se recompunha das ladeiras da cidade com sua mulher, ele reparau que embora a fachada do lugar parecesse histórica, o seu interior era moderno. Outra coisa que chamava sua atenção era que, no meio das mesas, havia algumas colunas em ruína. Qual não foi sua felicidade ao descobrir que a Cafeteira do Centro Cultural Fiemg está no casarão histórico destruido pelo fogo em 2003. Joãozinho até se lembrava da notícia do fogo na praça Tiradentes, bem no centro histórico. O prédio tinha desabado, mas como ele entrou pela porta lateral, não imaginou que estava no casarão reconstruído. Na verdade, ele não esperava encontrar nada lá, cerca de quatro anos depois da incidente. Uma grata surpresa.


O casarão destruído pelo fogo e agora, reconstruído.

2 comentários:

Rubens disse...

Antigo por fora, moderno por dentro. Às vezes me sinto exatamente ao contrário.

Eduardo César disse...

De vez em quando, eu também me sinto assim. Meio que enraizado no passado. Não é fácil abrir mão de certas crenças.