Nascido para vender

Meu primeiro empréstimo, provavelmente, foi o melhor negócio da minha vida. Na época, a inflação era galopante, os preços eram remarcados quase todos os dias. Não tínhamos a menor noção dos preços dos produtos.

Conversando na cantina do colégio, descobri que poderia usar o esquema da cardeneta. Além de não enfretar fila no caixa, os lanches eram anotados, e eu só pagaria no começo do próximo mês. O melhor da história, e que na época eu não tinha a menor idéia, era que ao invés de anotarem um pastel e uma coca, eles anotavam o valor dos produtos no dia. Quando chegava a conta, o valor que eu pagava já não era suficiente para pagar tudo o que eu havia consumido.

Contando isso para meu irmão, descobri que ele foi ainda mais longe. Além de comprar da mesma maneira, ele revendia lanches para seus amigos que, assim, também não pegavam fila. O detalhe é que ele recebia à vista e gastava o dinheiro no mesmo dia para comprar outras coisas. Um negócio da China, pegava um empréstimo mensal sem juros e de quebra, ainda fazia média com a galera na escola.

5 comentários:

Redatozim disse...

Pra mim, lugar de marginal é na cadeia. capitão nascimento nesse vagabundo!

Rubens disse...

É nas cantinas dos colégios que nascem os Naji Nahas da vida.

Eduardo César disse...

Pô galera, foi só uma questão de oportunidade de investimento. E meu brother, ainda hoje, tem mais faro para dinheiro do que eu. Não é a toa que ele faz medicina.

danny Falabella disse...

creedo e eu que convivi com vc tanto tempo...cruzes Edu! hahahahahahahahahaha EU SABIA! O TERROR DO SION! VC NUNCA ME ENGANOU!

Eduardo César disse...

Apenas lembranças do tempo de "S" Danny. hehehe