Cortem as cabeças

O bom senso recomenda atacar a causa para se resolver um problema, mas há pessoas que insistem em paliativos, que podem até aliviar os sintomas por um tempo, mas que sempre vêm com algum efeito colateral.

"Banir propagandas (de fast food) reduziria obesidade infantil, diz estudo" - este é o título de uma matéria do UOL. Uma dedução mais do que esperada. Afinal alimentar o consumo é uma das funções da propaganda, bani-la reduziria o consumo em qualquer segmento, inclusive o de alimentos. Mas o real problema seriam os comerciais de hamburgeres? Segundo o estudo publicado no "Journal of Law & Economics", banindo as propagandas de fast food conseguiria-se reduzir o número de crianças de 3 a 11 anos acima do peso em 18%. Quantas crianças de 3 anos conseguem comprar algum produto por conta própria? E de 4, 5, 6...?

Que a obesidade infantil é um problema, não há dúvida. Mas as soluções passam mais para a educação dos pais do que pelo banimento da publicidade. Soluções como essa me parecem com aquela piada de corno que quando descobre que sua mulher o traiu no sofá, troca o sofá.

5 comentários:

Josi disse...

Concordo plenamente com você. As medidas a serem tomadas nesta questão vão muito mais além das crianças. É claro que ações de educação nutricional (que é o caso) como propagandas de incentivo a escolha de alimentos mais saudáveis para crianças ajudariam, mas quem escolhe, permite e compra os alimentos para as crianças são os pais, ou seja onde está o objeto de intervenção?
Eu em minha sala de aula tento atacar o problema onde posso (educação nutricional no lanche e aulas de culinária)e é claro intervindo, orientando e auxiliando pais desesperados, acomodados e servos de seus filhos.
T+

danny falabella disse...

Isso aí Edu! A Sofia odeia hamburguer e até cachorro quente. Não é que eu proibo, só não influencio e introduzo...se tiver acesso, ok, mas não será eu ou joão que vamos insistir para ir comer mclanche feliz. (ela gosta só dos brinquedinhos mas aí é outra coisa hehehe). a coisa realmente não é por aí.

Eduardo César disse...

Pois é Danny, o papel dos pais é fundametal na educação dos filhos, principalmente em relação aos estímulos para o consumo. A propaganda não pode ser responsabilizada pela educação das crianças.

Eduardo César disse...

Incentivar o consumo de alimentos mais saudáveis é realmente uma boa opção Josi. O que não pode é proibir que lanchonetes divulguem seu produtos. Seria como proibir a publicidade de carros para diminuir os acidentes de trânsito. A solução parte de pessoas como você que orientam os pais e crianças. As cantinas de escolas também deveriam estimular o consumo de alimentos mais saudáveis. Sem a cumplicidade de adultos, uma criança não teria acesso ao fast food.

tita disse...

Concordo!