Tem que saber usar

Esta semana o bicho pegou em Brasília com vários assuntos polêmicos na pauta. Mas o que mais me chamou a atenção foi o caso do twitter do Supremo Tribunal Federal. Uma infeliz terceirizada (segundo o Supremo) publicou no microblog oficial do STF a mensagem: "Ouvi por aí: 'agora que o Ronaldo se aposentou, quando será que o Sarney vai resolver pendurar as chuteiras?". No meio de tantas "twittadas" sérias, sobre decisões da corte suprema, uma piadinha com o presidente do Senado.

Esse é um dos exemplos de mau uso das mídias sociais: quando quem publica se esquece de que está representando alguém maior. Qual é o limite entre meu eu particular e meu eu na sociedade (onde sou a mulher do Eduardo, a assessora de imprensa de x empresas)?

É a dose de bom senso que vale. Tinha um chefe que me disse uma vez: tem hora que a gente não é CPF, mas sim CNPJ. Simples e fantástico para definir o porta-voz de uma empresa.

Voltando ao caso do STF, o Sarney levou na brincadeira (se disse feliz ao ser comparado com Ronaldo) e respondeu também dentro das mídias sociais (postou um vídeo no youtube), e o caso foi gerenciado onde começou - no mundo virtual.

Só faltou alguém responder à pergunta...

2 comentários:

Leo disse...

Não acho que tenha sido um mau uso das redes sociais nesse caso, porque a funcionária que postou, achou que estava logada na sua conta pessoal e não na do Supremo, portanto não se deu conta de que estava representando a entidade.

Eduardo César disse...

Sim, parece um equívoco. Mas eu concordo com a Liene porque o que vale não é a intenção, e sim, o ato. Quem postou a mensagem foi a entidade e não a pessoa no fim das contas.

Além do mais, acho muito difícil que a funcionária tenha o profile pessoal parecido com o do @STF_oficial (dê uma olhada) para se confundir.